Para estimular o diálogo sobre a maneira como estamos vivendo a transformação e, principalmente, o aprendizado que nos leva a este novo cenário, a everis promove um encontro internacional em formato digital: o Digital Health Conference, um evento formado por diversos painéis de discussão sobre os impactos e experiências que o setor de saúde está enfrentando nos últimos meses e uma análise sobre o futuro.
Um painel onde será abordado os impactos das transformações no setor de Health, e os caminhos que estão sendo traçados, um ano após o início da maior crise sanitária mundial. A pandemia trouxe à tona muitas fragilidades do sistema de saúde, ao mesmo tempo ressaltou mais ainda a sua importância social e nas necessidades de adoção de novos processos e tecnologias.

Para conseguir dar conta das demandas crescentes foi preciso uma restruturação, inclusive de gestão para uma assistência efetiva e segura, não apenas para os pacientes, mas também aos profissionais.
OS IMPACTOS EMPRESARIAIS PARA O SETOR DE SAÚDE NO CENÁRIO PÓS PANDEMIA
2 DE MARÇO
PAINEL DE ABERTURA
ASSISTA AO CONTEÚDO
Partner, Global Head of Public Sector & Healthcare
Head of Insurance Americas
ALEJANDRO MORÁN
Moderador
Médico sanitarista e professor da FSP-USP,
ex-presidente da Anvisa
GONZALO
VECINA NETO
CIO Bupa Chile
JORGE MUJICA
03 . 03
04 . 03
02 . 03
PAINEL DE ABERTURA
A saúde é essencial, considerada um dos pilares fundamentais da vida. Nos últimos anos, foi possível observar e participar da evolução dos sistemas de saúde, impulsionados pelos avanços tecnológicos, inovações científicas e mudanças culturais dos pacientes e da sociedade.
A interoperabilidade tem sido discutida intensamente na saúde. Traduzida como a capacidade de integração de sistemas de informação e aplicativos de software, promovendo a troca de dados, traz uma visão integral da saúde, sob perspectiva mais ampla da assistência, objetivando maior eficiência. A interoperabilidade também envolve desafios que devem ser superados. É indispensável pensar, primeiramente, no comprometimento dos agentes em consolidar essa transparência, realizar os investimentos certos e recorrer às soluções que garantam a padronização, além da importantíssima segurança de dados. As muitas informações sensíveis da saúde devem ser protegidas contra vazamentos e acessos não autorizados. Por isso, é indispensável uma discussão consistente e, neste painel, contaremos com visões e experiências distintas para discutir este tema.
OS DESAFIOS E BENEFÍCIOS DA
INTEROPERABILIDADE PARA A SAÚDE
2 DE MARÇO
Partner da everis, Responsável pela Área de Saúde e Setor Público em Portugal
RICARDO CONSTANTINO
Diretor Geral de Sistemas de Gestão Hospitalar, Ministério da Saúde, Província de Córdoba
JUAN MARTÍN GOMEZ
Diretor de Tecnologia na Americas Serviços Médicos
   ALEX JULIAN
Diretora Health everis Brasil
KÁTIA GALVANE
Moderadora
O conceito de Gestão de Saúde Populacional (GSP) propõe uma mudança na forma de tratar a saúde coletiva, de forma que a oferta de assistência médica também se some a implementação de metodologias abrangentes para a estratificação de riscos e coleta sistematizada de dados, que possibilita a análise do impacto das determinantes de saúde e conhecimento do risco de uma população, visando a definir ações através das melhores práticas e medir resultados com base em indicadores populacionais. Neste encontro de autoridades deste tema, discutiremos como a GSP integra e coordena os componentes da gestão de saúde populacional, respeitando a cultura e o ambiente nos quais a população está inserida.
PREVENÇÃO E SAÚDE POPULACIONAL: UM OLHAR PARA O FUTURO
4 DE MARÇO
Diretor de Estratégia, Parcerias e Mercado na Sharecare
GENTIL JORGE ALVES
Secretário de Saúde na Prefeitura Municipal de São Bernardo do Campo, Presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo – COSEMS/SP
GERALDO REPLE SOBRINHO
Gerente de Programas e Promoção da Saúde,
UnitedHealth Group
LÍVIA DE ALMEIDA FALLER
Diretora Health everis Brasil
KÁTIA GALVANE
Moderadora
Após o destaque e o impacto dos cuidados críticos durante a pandemia, é hora de refletir sobre as prioridades a serem abordadas, não somente diante de possíveis novas situações pandêmicas, mas também em relação ao futuro:
Organização de atendimento em cuidados críticos e o impacto da disponibilidade online de dados e telemedicina; impacto na atividade em cuidados críticos diante da disponibilidade de análises avançadas de dados, IA e algoritmos preditivos; as possibilidades da tecnologia para humanizar os cuidados críticos ou a cooperação necessária entre o corpo médico e as empresas de tecnologia para avançar na I&D na área clínica.
DESAFIOS DE INOVAÇÃO EM CUIDADOS CRÍTICOS
3 DE MARÇO
Chief Medical Information Officer da everis Health e NTT Data Company
EDUARDO VIGIL
Moderador
Medicina de cuidado crítico sênior; Parc Taulí Health Corporation; Diretor de Pesquisa e Inovação; Diretor do I3PT - Instituto de Pesquisa e Inovação Parc Taulí; Professor Associado de Medicina da Universidade de Barcelona
LLUÍS BLANCH
Chefe do Serviço de Cuidados Críticos e Emergências do Hospital Universitário Virgen del Rocio
FRANCISCO MURILLO CABEZAS
Chefe do Serviço de Anestesiologia e Reanimação do Hospital Geral Universitário de Elda
CALIXTO SANCHES
Saiba como a tecnologia Conversational AI pode fornecer resultados para um provedor de central de atendimento.

Veja algumas das capacidades omni-channel que estão sendo testadas em um estudo de caso realizado com um grande plano de saúde dos EUA e explore como agentes virtuais trabalham em um ambiente complexo, repleto de linguagem própria e terminologia clínica. Compreender a interação e a necessidade de experiência do usuário final para garantir uma maior adoção e um feedback contínuo.
A TECNOLOGIA CONVERSATIONAL AI NO GERENCIAMENTO DE INTERAÇÕES COMPLEXAS DE USUÁRIOS E PROVEDORES
3 DE MARÇO
CTO, Health Plan Solutions, NTT DATA
KUMAR SRINIVAS
Moderador
Partner, Head of Digital Experience Americas, everis
PEDRO JAVIER LÓPEZ
Vivemos um cenário de incertezas e de mudanças aceleradas, e nesse sentido, a tecnologia aplicada à saúde se tornou essencial, e uma grande aliada para que diagnósticos e tratamentos sejam mais precisos, gerando uma relação de custo-efetividade que atenda os anseios do cliente e todo elos da cadeia de saúde.

Neste painel discutiremos a importância e atuais estratégias que têm sido utilizadas para inclusão digital, ampliação da capacidade de atendimento e do monitoramento remoto de pacientes.
DESAFIOS DA SAÚDE CONECTADA
4 DE MARÇO
Head Global de Health da everis Europa
ALBERTO BORREGO
Moderador
Diretor Médico da Regional
São Paulo – Oncologia D’Or
ANTONIO CARLOS ONOFRE DE LIRA
Diretor Gerente da Bradesco Saúde
FLÁVIO BITTER
Chief Medical Officer (CMO) do UnitedHealth Group Brasil
CHARLES SOULEYMAN
Um painel onde será abordado os impactos das transformações no setor de Health, e os caminhos que estão sendo traçados, um ano após o início da maior crise sanitária mundial. A pandemia trouxe à tona muitas fragilidades do sistema de saúde, ao mesmo tempo ressaltou mais ainda a sua importância social e nas necessidades de adoção de novos processos e tecnologias.

Para conseguir dar conta das demandas crescentes foi preciso uma restruturação, inclusive de gestão para uma assistência efetiva e segura, não apenas para os pacientes, mas também aos profissionais
OS IMPACTOS EMPRESARIAIS PARA O SETOR DE SAÚDE NO CENÁRIO PÓS PANDEMIA
2 DE MARÇO
PAINEL DE ABERTURA
Partner, Global Head of Public Sector & Healthcare
Head of Insurance Americas
ALEJANDRO MORÁN
Moderador
Médico sanitarista e professor da FSP-USP, ex-presidente da Anvisa
GONZALO
VECINA NETO
CIO Bupa Chile
JORGE MUJICA
03 . 03
04 . 03
02 . 03
PAINEL DE ABERTURA
A saúde é essencial, considerada um dos pilares fundamentais da vida. Nos últimos anos, foi possível observar e participar da evolução dos sistemas de saúde, impulsionados pelos avanços tecnológicos, inovações científicas e mudanças culturais dos pacientes e da sociedade.
A interoperabilidade tem sido discutida intensamente na saúde. Traduzida como a capacidade de integração de sistemas de informação e aplicativos de software, promovendo a troca de dados, traz uma visão integral da saúde, sob perspectiva mais ampla da assistência, objetivando maior eficiência. A interoperabilidade também envolve desafios que devem ser superados. É indispensável pensar, primeiramente, no comprometimento dos agentes em consolidar essa transparência, realizar os investimentos certos e recorrer às soluções que garantam a padronização, além da importantíssima segurança de dados. As muitas informações sensíveis da saúde devem ser protegidas contra vazamentos e acessos não autorizados. Por isso, é indispensável uma discussão consistente e, neste painel, contaremos com visões e experiências distintas para discutir este tema.
OS DESAFIOS E BENEFÍCIOS DA INTEROPERABILIDADE PARA A SAÚDE
2 DE MARÇO
Partner da everis, Responsável pela Área de Saúde e Setor Público em Portugal
RICARDO CONSTANTINO
Diretora Health everis Brasil
KÁTIA GALVANE
Moderadora
Diretor Geral de Sistemas de Gestão Hospitalar, Ministério da Saúde, Província de Córdoba
JUAN MARTÍN GOMEZ
Diretor de Tecnologia na Americas Serviços Médicos
   ALEX JULIAN
O conceito de Gestão de Saúde Populacional (GSP) propõe uma mudança na forma de tratar a saúde coletiva, de forma que a oferta de assistência médica também se some a implementação de metodologias abrangentes para a estratificação de riscos e coleta sistematizada de dados, que possibilita a análise do impacto das determinantes de saúde e conhecimento do risco de uma população, visando a definir ações através das melhores práticas e medir resultados com base em indicadores populacionais. Neste encontro de autoridades deste tema, discutiremos como a GSP integra e coordena os componentes da gestão de saúde populacional, respeitando a cultura e o ambiente nos quais a população está inserida.
PREVENÇÃO E SAÚDE POPULACIONAL: UM OLHAR PARA O FUTURO
4 DE MARÇO
Diretor de Estratégia, Parcerias e Mercado na Sharecare
GENTIL JORGE ALVES
Secretário de Saúde na Prefeitura Municipal de São Bernardo do Campo, Presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo – COSEMS/SP
GERALDO REPLE SOBRINHO
Diretora Health everis Brasil
KÁTIA GALVANE
Moderadora
Gerente de Programas e Promoção da Saúde, UnitedHealth Group
LÍVIA DE ALMEIDA FALLER
Para estimular o diálogo sobre a maneira como estamos vivendo a transformação e, principalmente, o aprendizado que nos leva a este novo cenário, a everis promove um encontro internacional em formato digital: o Digital Health Conference, um evento formado por diversos painéis de discussão sobre os impactos e experiências que o setor de saúde está enfrentando nos últimos meses e uma análise sobre o futuro.
Após o destaque e o impacto dos cuidados críticos durante a pandemia, é hora de refletir sobre as prioridades a serem abordadas, não somente diante de possíveis novas situações pandêmicas, mas também em relação ao futuro: Organização de atendimento em cuidados críticos e o impacto da disponibilidade online de dados e telemedicina; impacto na atividade em cuidados críticos diante da disponibilidade de análises avançadas de dados, IA e algoritmos preditivos; as possibilidades da tecnologia para humanizar os cuidados críticos ou a cooperação necessária entre o corpo médico e as empresas de tecnologia para avançar na I&D na área clínica.
DESAFIOS DE INOVAÇÃO EM CUIDADOS CRÍTICOS
3 DE MARÇO
Chief Medical Information Officer da everis Health e NTT Data Company
EDUARDO VIRGIL
Moderador
Medicina de cuidado crítico sênior; Parc Taulí Health Corporation; Diretor de Pesquisa e Inovação; Diretor do I3PT - Instituto de Pesquisa e Inovação Parc Taulí; Professor Associado de Medicina da Universidade de Barcelona
LLUÍS BLANCH
Chefe do Serviço de Cuidados Críticos e Emergências do Hospital Universitário Virgen del Rocio
FRANCISCO MURILLO CABEZAS
Chefe do Serviço de Anestesiologia e Reanimação do Hospital Geral Universitário de Elda
CALIXTO SANCHES
Vivemos um cenário de incertezas e de mudanças aceleradas, e nesse sentido, a tecnologia aplicada à saúde se tornou essencial, e uma grande aliada para que diagnósticos e tratamentos sejam mais precisos, gerando uma relação de custo-efetividade que atenda os anseios do cliente e todo elos da cadeia de saúde.

Neste painel discutiremos a importância e atuais estratégias que têm sido utilizadas para inclusão digital, ampliação da capacidade de atendimento e do monitoramento remoto de pacientes.
DESAFIOS DA SAÚDE CONECTADA
4 DE MARÇO
Head Global de Health da everis Europa
ALBERTO BORREGO
Moderador
Diretor Médico da Regional
São Paulo – Oncologia D’Or
ANTONIO CARLOS ONOFRE DE LIRA
Diretor Gerente da Bradesco Saúde
FLÁVIO BITTER
Chief Medical Officer (CMO) do UnitedHealth Group Brasil
CHARLES SOULEYMAN
Saiba como a tecnologia Conversational AI pode fornecer resultados para um provedor de central de atendimento.

Veja algumas das capacidades omni-channel que estão sendo testadas em um estudo de caso realizado com um grande plano de saúde dos EUA e explore como agentes virtuais trabalham em um ambiente complexo, repleto de linguagem própria e terminologia clínica. Compreender a interação e a necessidade de experiência do usuário final para garantir uma maior adoção e um feedback contínuo.
A TECNOLOGIA CONVERSATIONAL AI NO GERENCIAMENTO DE INTERAÇÕES COMPLEXAS DE USUÁRIOS E PROVEDORES
3 DE MARÇO
CTO, Health Plan Solutions, NTT DATA
KUMAR SRINIVAS
Moderador
Partner, Head of Digital Experience Americas, everis
PEDRO JAVIER LÓPEZ
ASSISTA AO CONTEÚDO
Um painel onde será abordado os impactos das transformações no setor de Health, e os caminhos que estão sendo traçados, um ano após o início da maior crise sanitária mundial. A pandemia trouxe à tona muitas fragilidades do sistema de saúde, ao mesmo tempo ressaltou mais ainda a sua importância social e nas necessidades de adoção de novos processos e tecnologias.

Para conseguir dar conta das demandas crescentes foi preciso uma restruturação, inclusive de gestão para uma assistência efetiva e segura, não apenas para os pacientes, mas também aos profissionais
OS IMPACTOS EMPRESARIAIS PARA O SETOR DE SAÚDE NO CENÁRIO PÓS PANDEMIA
2 DE MARÇO
PAINEL DE ABERTURA
PAINEL DE ABERTURA
03 . 03
04 . 03
02 . 03
A saúde é essencial, considerada um dos pilares fundamentais da vida. Nos últimos anos, foi possível observar e participar da evolução dos sistemas de saúde, impulsionados pelos avanços tecnológicos, inovações científicas e mudanças culturais dos pacientes e da sociedade.
Partner,
Global Head of Public Sector & Healthcare
Head of Insurance Americas
ALEJANDRO MORÁN
Moderador
Médico sanitarista e professor da FSP-USP
ex-presidente da Anvisa
GONZALO VECINA NETO
A interoperabilidade tem sido discutida intensamente na saúde. Traduzida como a capacidade de integração de sistemas de informação e aplicativos de software, promovendo a troca de dados, traz uma visão integral da saúde, sob perspectiva mais ampla da assistência, objetivando maior eficiência. A interoperabilidade também envolve desafios que devem ser superados. É indispensável pensar, primeiramente, no comprometimento dos agentes em consolidar essa transparência, realizar os investimentos certos e recorrer às soluções que garantam a padronização, além da importantíssima segurança de dados. As muitas informações sensíveis da saúde devem ser protegidas contra vazamentos e acessos não autorizados. Por isso, é indispensável uma discussão consistente e, neste painel, contaremos com visões e experiências distintas para discutir este tema.
OS DESAFIOS E BENEFÍCIOS DA INTEROPERABILIDADE PARA A SAÚDE
02 DE MARÇO
Diretora Health everis Brasil
KÁTIA GALVANE
Moderadora
Partner da everis, Responsável pela Área de Saúde e Setor Público em Portugal
RICARDO CONSTANTINO
Diretor Geral de Sistemas de Gestão Hospitalar, Ministério da Saúde, Província de Córdoba
JUAN MARTÍN GOMEZ
Diretor de Tecnologia na Americas Serviços Médicos
   ALEX JULIAN
Saiba como a tecnologia Conversational AI pode fornecer resultados para um provedor de central de atendimento.

Veja algumas das capacidades omni-channel que estão sendo testadas em um estudo de caso realizado com um grande plano de saúde dos EUA e explore como agentes virtuais trabalham em um ambiente complexo, repleto de linguagem própria e terminologia clínica. Compreender a interação e a necessidade de experiência do usuário final para garantir uma maior adoção e um feedback contínuo.
A TECNOLOGIA CONVERSATIONAL AI NO GERENCIAMENTO DE INTERAÇÕES COMPLEXAS DE USUÁRIOS E PROVEDORES
03 DE MARÇO
CTO, Health Plan Solutions, NTT DATA
KUMAR SRINIVAS
Moderador
Partner, Head of Digital Experience Americas, everis
PEDRO JAVIER LÓPEZ
Vivemos um cenário de incertezas e de mudanças aceleradas, e nesse sentido, a tecnologia aplicada à saúde se tornou essencial, e uma grande aliada para que diagnósticos e tratamentos sejam mais precisos, gerando uma relação de custo-efetividade que atenda os anseios do cliente e todo elos da cadeia de saúde.

Neste painel discutiremos a importância e atuais estratégias que têm sido utilizadas para inclusão digital, ampliação da capacidade de atendimento e do monitoramento remoto de pacientes.
DESAFIOS DA SAÚDE CONECTADA
04 DE MARÇO
Head Global de Health da everis Europa
ALBERTO BORREGO
Moderador
Diretor Gerente da Bradesco Saúde
FLÁVIO BITTER
Chief Medical Officer (CMO) do UnitedHealth Group Brasil
CHARLES SOULEYMAN
O conceito de Gestão de Saúde Populacional (GSP) propõe uma mudança na forma de tratar a saúde coletiva, de forma que a oferta de assistência médica também se some a implementação de metodologias abrangentes para a estratificação de riscos e coleta sistematizada de dados, que possibilita a análise do impacto das determinantes de saúde e conhecimento do risco de uma população, visando a definir ações através das melhores práticas e medir resultados com base em indicadores populacionais. Neste encontro de autoridades deste tema, discutiremos como a GSP integra e coordena os componentes da gestão de saúde populacional, respeitando a cultura e o ambiente nos quais a população está inserida.
PREVENÇÃO E SAÚDE POPULACIONAL: UM OLHAR PARA O FUTURO
04 DE MARÇO
Diretora Health everis Brasil
KÁTIA GALVANE
Moderadora
Diretor de Estratégia, Parcerias e Mercado na Sharecare
GENTIL JORGE ALVES
Secretário de Saúde na Prefeitura Municipal de São Bernardo do Campo, Presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo – COSEMS/SP
GERALDO REPLE SOBRINHO
Gerente de Programas e Promoção da Saúde, UnitedHealth Group
LÍVIA DE ALMEIDA FALLER
Para estimular o diálogo sobre a maneira como estamos vivendo a transformação e, principalmente, o aprendizado que nos leva a este novo cenário, a everis promove um encontro internacional em formato digital: o Digital Health Conference, um evento formado por diversos painéis de discussão sobre os impactos e experiências que o setor de saúde está enfrentando nos últimos meses e uma análise sobre o futuro.
Após o destaque e o impacto dos cuidados críticos durante a pandemia, é hora de refletir sobre as prioridades a serem abordadas, não somente diante de possíveis novas situações pandêmicas, mas também em relação ao futuro: Organização de atendimento em cuidados críticos e o impacto da disponibilidade online de dados e telemedicina; impacto na atividade em cuidados críticos diante da disponibilidade de análises avançadas de dados, IA e algoritmos preditivos; as possibilidades da tecnologia para humanizar os cuidados críticos ou a cooperação necessária entre o corpo médico e as empresas de tecnologia para avançar na I&D na área clínica.
DESAFIOS DE INOVAÇÃO EM CUIDADOS CRÍTICOS
03 DE MARÇO
Chief Medical Information Officer da everis Health e NTT Data Company
EDUARDO VIRGIL
Moderador
Medicina de cuidado crítico sênior; Parc Taulí Health Corporation; Diretor de Pesquisa e Inovação; Diretor do I3PT - Instituto de Pesquisa e Inovação Parc Taulí; Professor Associado de Medicina da Universidade de Barcelona
LLUÍS BLANCH
Chefe do Serviço de Cuidados Críticos e Emergências do Hospital Universitário Virgen del Rocio
FRANCISCO MURILLO CABEZAS
Chefe do Serviço de Anestesiologia e Reanimação do Hospital Geral Universitário de Elda
CALIXTO SANCHES
Diretor Médico da Regional
São Paulo – Oncologia D’Or
ANTONIO CARLOS ONOFRE DE LIRA
CIO Bupa Chile
JORGE MUJICA